English Version  |  Contactos  |  Localização  
 
Althum.com  

Rua Conde de Sabugosa, 7 1º dt.º
1700-115 Lisboa, Portugal
(+351) 218 409 406

 
 
HomeAlthum.comLivrosMúsicaEventosBusiness Registar  |  Login 0 Itens Carrinho
 
     
 

CATÁLOGO/

Livros

Património
Pequenos Tesouros
Projectos Especiais
Outros Temas

Música

DVD
CDs

Eventos

Concertos
Espectáculos
Lançamentos
Exposições


PESQUISA/

Pesquisar

Procurar por/


# A B C D E F G
H I J K L M N O
P Q R S T U V W
X Y Z  

Catálogo > Livros > Outros Temas > Uma Flor no Silêncio

Uma Flor no Silêncio

Adalberto Alves

20,00 € 18,00 € (-10%)

ADALBERTO ALVES – VERTIGEM E ALTITUDE


Falo de Adalberto Alves (A.A.), poeta, pensador, escritor, ensaísta, arabista, historiador, conferencista e jurista e que é um dos nossos melhores no panorama da Literatura Portuguesa.


A sua poesia é a de um buscador incessante da luz do Conhecimento.
Para ele o Mundo é uma Pedra Sagrada onde se reflectem as faces do Deserto na sua infinidade, de variantes, assumindo nelas a estética da solidão, unidas à Vertigem do Ser, ou seja, como diz a historiadora e filósofa Marie-Madeleine Davy, no seu livro Le désert interieur:

O homem acordado não sente mais a necessidade de recorrer a uma orientação externa, porque hé nele um lugar de paz silenciosa, na sua dimensão de profundidade, no seu fundo secreto”.


É este Oriente/Orientação que percorre a obra do poeta no seu eu mais profundo, nessa totalidade, nessa unidade que conecta o mundo exterior à vida interna.
Ele fala do Destino, que é o mesmo que abordar o Tempo, de um ponto de vista sufi.
O seu Destino cumpre-se na existenciação. Não lhe resta senão servir o Belo, dando-lhe corpo, dimensão e rigor exixtencial.
Diria que o nosso poeta-filósofo ocupa o centro de um quadrado, representando cada canto um elemento constituinte da pessoa humana, a saber: razão, sensorialidade, sentimento e intuição.

Tal centro define o equilíbrio.
E cito: “quando o homem rompe o equilíbrio das polaridades, o mal irrompe e Deus repõe a Harmonia através do seu rigor”.

A.A. cumpre a Maestria comparecendo à vitória do Conhecimento sobre a ignorância e realiza a Obra Alquímica que o fará descobrir os Grandes Mistérios, animado por um desejo de vida que o leva a superar-se, não sem dor, no laboratório da Escrita e do Pensamento, em permanente viagem.
Observe-se este trecho da sua obra Navegação Imperfeita:

há uma velha pedra onde me sento,
a muitos dias de viagem, em pensamento.
sobre ela alcanço solidão, paz e alento.

aí descubro o fogo que o gelo derreteu.
e essa velha pedra, afinal, sou eu...


Ora, na Câmara dos Ecos, em que vivemos, inseridos numa sociedade globalizante, a Obra de A.A. desvincula-se de tudo quando seja ignorãncia e/ou facilitismo.
Habitam-na Deserto, Solidão, Silêncio, Música, Luz, Noite e Treva, passaportes existenciais para a sua Viagem: uma Viagem reflectindo a condição humana no seu enfoque metafísico.
Também de hermetismo nos fala A.A., em sua poesia, apoiando-se na bússola invisível do Coração.
Os seus registos são intemporais.
A reflexão filosófica que os seus poemas indiciam é superada pelo sopro espiritual de um Universo Maior, pois ele sabe que “puros são os balbucios das crianças/quando nos estendem os bracinhos”.

O Poeta afirma também:

aceito a minha vida como ceifa/ que em mim faz colheita do mistério/ que a algum lado, além, há-de ir dar.

O seu tempo segue, em espiral: o Mundo, a Natureza e as letras com que desenha o Universo vão coincidindo, passo a passo, em verdadeira Geometria Sagrada.
Leia-se, no seu livro O Passo da Montanha:

ajoelhei-me numa prece
dobrando-me no solo.
por ti, Divina Natureza.


A.A. é incansável Peregrino, “árabe de coração”, enamorado como são os místicos e utilizando a visão interior para moldar a matéria-prima. É através desta visão que revela as várias formas da Palavra, indicando a sua posição ontológica no Universo: o fogo que transporta é o do Amor Absoluto e, assim, se oferece em Interioridade, e Intimidade e Ocultação.
Ele, enquanto Poeta, é o Incógnito do Sumo Bem, envolto num Manto de silêncio e Mistério, semeando Luz e Beleza pelo Caminho.
Nele vive a eterna chama.
Vejam-se estes versos:

a meus olhos, de luz e escuridão,
se devem as sombras e as cores.
é de uma descida que se trata
pela escadaria das imagens.

os pés não servem para a subir.
só as asas da sede são capazes.



Fora deste voo não há poeta nem poesia e somos convocados para entrar no Templo.
Uma veste inicial se torna necessária: a Túnica, o Cordão, o Livro da Vida e vamos fazendo o registo de “A Presença dos Dias” – título de um seu livro de aforismos – caminhando por cidades desertas e bebendo sombras.
Escreve também ele
:

A vida é uma plenitude que só faz sentido recebendo sofrimento e beatitude com igual aceitação.
Numa felicidade permanente, não passaríamos de lesmas entorpecidas; em sofrimento constante, pouco mais seríamos do que raivosas feras
.”

Afinal, são segredos de um Sol prestes a soltar-se da Árvore da Vida, sob a forma do Verbo da Poesia.
Contemplemos o seu Palácio, em Altitude e Vertigem, com suas letras de fogo.
Essas são as jóias.
Tomo aleatoriamente, as páginas do referido livro de aforismos e lá aprendo:

Nada do que possa ser dito, fora do absoluto silêncio, exprime a Essência do Fogo.


MARIA AZENHA
Poeta, Professora e Matemática

Ano de edição: 2022

Formato: 14,5x20,5 cm

Encadernação: Capa mole com badanas

Páginas: 180 a 1 cor

Classificação: Outros Temas

 

Uma Flor no Silêncio

 
 
     
 

© althum.com - Todos os direitos reservados     info@althum.com | Site Map | Política de Privacidade